Abacate um fruto nutritivo para o seu bebé

Vi este vídeo e foi-me tão familiar! Cá por casa a reacção foi igual ou pior, eu pelo menos não insisti tanto ao vê-lo ter arrepios quando experimentou abacate pela primeira vez.

O abacate é realmente uma boa fruta para iniciar na alimentação do bebé, rica em gorduras mono e polinsaturadas vão ajudar ao desenvolvimento do sistema nervoso central das crianças. Mas vamos lá admitir não sabe assim tão bem “ao natural”… junte-lhe meia banana ou outra fruta que o bebé goste e verá que se torna muito mais fácil.

Anúncios

O que é o Baby Led Weaning?

BLW Baby Led Weaning, já ouviu falar? esta imagem diz tudo!! Este é um método de “desmame” do bebé muito utilizado nos EUA, e que tem vindo a ser transportado aos poucos para a Europa com alguma controvérsia, dúvidas, etc.

O baby led weaning é uma forma de ensinar o seu filho a comer alimentos sólidos dando-lhe total autonomia desde o 1º dia que inicia a diversificação alimentar, ou a partir dos 6 meses (nos bebés amamentados em exclusivo até essa idade). Neste método não se recorre a purés, papas, processadores de cozinha, etc, nada é esmagado e dado em colheradas ritmadas à criança. Os alimentos são lhes fornecidos em tamanho pequeno de forma a que consiga agarrar com a sua mão e comer sem se engasgar, colocada no tabuleiro da cadeirinha da papa e de preferência sem roupa ou com um bom babete de plástico. Se o bebé gostar ele comerá, se não gostar não come. Esta forma de ensinar o bebé a comer garante que a ordem de aprender a comer é a mais correcta: primeiro o bebé irá aprender a mastigar e em segundo lugar a engolir, o que está invertido na forma tradicional de alimentar um bebé.

Bom, além de todos os dias ficar com a sua sala como se fosse um campo de batalha os riscos que os pediatras alertam para este método é o de engasgar. Se os pais estão seguros que sabem fazer as manobras de Heimlich isso poderá dar-lhes mais confiança a fazer esta prática mas se não o sabem então realmente pode ser um risco.

Eu não sou a favor nem contra, acredito que para a maioria dos pais cujo dia deveria ter 26 horas não seja possível perder muito tempo com esta prática alimentar, e basicamente o que querem é garantir que o seu bebé comeu tudo o que necessita para crescer. Hoje em dia, que o meu filho já é mais crescido faço aqui um “meio-termo”, dou-lhe sopa (sim somos Portugueses comemos sopa!!), dou-lhe o prato principal também coordenado por mim e a fruta então fica ao cargo dele e faz a porcaria toda que gosta!! Mas confesso que com 6 meses não me sentia confortável em dar comida sólida (além da bolachinha Maria que se derrete na boca) e que todas as crianças adoram.

E por ai como fazem com os vossos pequenos?

Obesidade infantil: como prevenir no 1º ano de vida?

images1BAI0FTFA obesidade infantil é um problema global e com um aumento verdadeiramente assustador nos últimos anos. A preocupação centra-se na prevenção e tentar perceber-se o que se pode fazer logo desde o início da vida para prevenir a obesidade infantil.

Não há dúvidas para nenhum dos investigadores, pediatras e qualquer técnico de saúde que a amamentação com leite materno é a melhor forma de prevenir desde o primeiro dia de vida a obesidade. Mas como nem sempre isso é possível, e as fórmulas para lactentes são muitas vezes a única forma de alimentar o bebé. O objectivo das marcas é o de se aproximarem o melhor possível do leite materno.

Um estudo(1) realizado em 2005 comparou 3 grupos de crianças, um que consumia fórmula com alto teor de proteínas, um que consumia fórmula com baixo teor de proteína e por ultimo os bebés alimentados com leite materno. O resultado foi que os dois últimos grupos mostraram um desenvolvimento semelhante e com isso um menor risco de desenvolver obesidade comparativamente ao grupo com elevado consumo de proteínas.

Deste modo, desenvolveu-se uma corrente a “early protein hypothesis” que recomenda um consumo moderado/baixo de proteínas (animais e vegetais) no 1º ano de vida da criança de modo a prevenir a obesidade a longo prazo. E com isso as recomendações/porções diárias de proteína (fontes: leite, queijo, iogurtes, carne, peixe, leguminosas) numa criança que já iniciou a diversificação alimentar são menores do que muitas vezes aos olhos dos “pais e avós” possa parecer razoável para crescer bem, não dê mais do que 10 a 15gr de carne/peixe nesta fase da vida e valorize sim os vegetais e os hidratos de carbono (pão, arroz, massa, batata, etc.).

  1. Koletzko et al, Protein intake in the firts year of life: a risk factor for later obesity? The EU childhood obesity project; Adv Exp Med Biol; 2005; 569:69-79

Quando o bebé já come ovos!

ovosPor volta dos 9 a 10 meses começa a introdução de um alimento super nutritivo mas que em tempos era visto com maus olhos: Os ovos. Quem é que já não ouviu que os ovos são de evitar e não abusar porque fazem subir os níveis de colesterol? Pois bem, mas esse medo exagerado em torno dos ovos tem sido atenuado ultimamente pois sabe-se que não é assim tão evidente a causa-efeito entre comer ovos e o aumento do colesterol. Mas nos bebés a história é outra, eles são fundamentais para o crescimento mas devem ser encarados como 2 alimentos distintos – a gema e a clara – e introduzidos progressivamente.

Na gema encontra-se um elevado teor de ferro e cálcio, bem como de vitaminas lipossolúveis (vitamina A, D e E), elementos fundamentais para o crescimento da massa óssea. A clara é essencialmente composta por proteínas e por essa razão a clara é um alimento com maior probabilidade de desenvolver alergias nos bebés, daí aconselhar-se introduzir mais tarde por volta de 1 ano de idade.

A introdução da gema é simples, basta substituir uma sopa “de carne” por uma de ovo com ½ gema por sopa e não ultrapassando de 1 gema por semana.

Cá em casa a reacção aos ovos foi de estranheza, presumo que pela textura, e por isso resultou melhor bater a gema juntamente com a sopa do que “esmaga-la” com um garfo e envolver. Truques para disfarçar!! J

Que iogurte dar ao bebé?

baby

I’m back!! O rapaz já vai com 1 ano e 2 meses (recuso-me a dizer a idade em meses até irem quase para a faculdade, mas agora foi só para situar!). Mas para chegarmos aqui ainda muita água rolou e tanta informação sobre a alimentação que ainda está por dizer, o primeiro ano de vida de uma criança é uma grande jornada de aprendizagem e etapas para ultrapassar. Vamos retomar do ponto onde fiquei da última vez: Iogurtes!

Que iogurte dar ao bebé? Este é mais um dos temas polémicos, e aproveito para fazer já um parênteses para esclarecer que uma das coisas que aprendi depois de ser mãe é que temas polémicos e opiniões divergentes é o mais COMUM na pediatria. Cada pediatra tem a sua opinião, mais vale confiar no vosso próprio pediatra do que andar a apanhar as ideias de cada um dos pediatras dos filhos das amigas…

Continuando na história dos iogurtes, existem no mercado vários iogurtes para bebés feitos com o leite de transição com sabores a tudo (maçã, pera, banana, morango, bolacha, etc etc) e então pela lógica, se a criança bebe leite de transição então também deverá comer iogurtes provenientes deste tipo de leite, em vez dos iogurtes “de vaca”. No entanto, os iogurtes são resultado da fermentação da lactose (aquele componente que poderá causar algum tipo de intolerância num sistema gastrointestinal ainda imaturo), assim se a lactose está fermentada (foi “digerida” por bactérias lácteas) torna-se de fácil de digestão não havendo por isso o risco de causar intolerâncias. Estando então este problema resolvido vamos comparar os ditos iogurtes para bebés com os “normais”: Os iogurtes para bebés têm AROMAS e AÇÚCAR, os iogurtes naturais de vaca não… Eu cá em casa optei por habitua-lo a comer iogurtes naturais sem adição de açúcar e que se quiser então “adoço” com fruta fresca cortada. E ele adora!

Diversificação alimentar (continuação)

peixe

Já vai longa a ausência… mas as evoluções cá em casa não param de acontecer de uma forma tão rápida que aquele bebe que mal abria os olhos está um vivaço sempre a aprender coisas novas.

Com a comida também tem havido progressos, já vamos com 8 meses contados e há muitas novidades da alimentação do bebé. Já abrimos o leque a novas frutas como a papaia, manga, abacate e vamos brevemente experimentar a meloa.

O peixe foi a novidade mais recente, agora come duas sopas por dia. Uma de carne e outra de peixe (com cerca de 15gr/sopa), sorte a minha que tenho um rapaz nada esquisito e que comeu tudo lindamente.

Os peixes começam por ser os brancos como a pescada, linguado, solha, besugo, etc., pode ser fresco ou congelado. O salmão só deve ser introduzido depois dos 10meses. Estou curiosa por saber a reação já que é um peixe com um sabor muito intenso.

 Também já foi o tempo de introduzirmos o iogurte ao lanche, mas sobre este tema que gera diferentes opiniões entre profissionais de saúde e pais irei escrever um post em breve, mas deixo a questão: Dão aos vossos filhos iogurte natural “normal” ou iogurte para bebés?!

 

As novas curvas de crescimento das crianças

grPercentilPesoIdade

Houve alterações nas tabelas de percentis do crescimento/peso das crianças, foram ajustadas de forma a combater o excesso de peso na infância. As crianças amamentadas com leite materno exclusivo têm maior benevolência por parte dos pediatras estando por isso mais “à vontade” para apresentarem pesos mais elevados ou o oposto. Actualmente, os pediatras estão muito mais alerta para o excesso de peso das crianças no 1º ano de vida.

Reparo que muitas vezes os percentis são motivo de stress para muitos pais, principalmente quando as crianças estão “abaixo” do 50 (média). Não importa se o bebé está no 25 ou 75 o que se recomenda é que o seu crescimento seja linear e siga de forma progressiva na “sua” curva habitual.