Acompanhamento nutricional para grávidas

gestante1

A gravidez é um momento especial que deve ser vivido com tranquilidade e confiança de que tudo está a ser feito de forma a garantir o melhor crescimento e saúde do bebé que aí virá, sem nunca esquecer a Mãe.

Embora a gravidez não exija comer por dois como nos tempos das suas avós se dizia, deve comer pelos dois sim mas só em alguns nutrientes. Quero com isto dizer que o valor calórico do seu dia não irá aumentar assim tanto, mas algumas necessidades pontuais de nutrientes sim. Existem adicionalmente alguns cuidados especiais que tanto baralham as grávidas tais como “posso comer salada?”, “posso comer o queijo X ou Y?”, “posso beber café?”, essas e tantas outras dúvidas que surgiram verá serem esclarecidas se tiver um aconselhamento nutricional.

Caso não existam condições especiais, que exigem um acompanhamento mais rigoroso (como na diabetes gestacional, hipertensão arterial ou outros problemas), o acompanhamento da grávida pode ocorrer em 3/4 fases:

– Consulta pré-concepcional ou nos primeiros dias (assim que recebe a boa noticia);

– Consulta entre as 14 e as 16 semanas (entrada no 2º trimestre);

– Consulta entre as 25 e 28 semanas (entrada no 3º trimestre);

– Consulta pós-parto (alimentação na amamentação e acompanhamento na recuperação do peso).

Este acompanhamento (novamente caso não existam condições especiais), pode ser presencial em consultório ou online caso veja que isso lhe facilitará a vida, uma vez que nesta fase já sobra pouco tempo entre trabalho/análises/consultas de obstetricia etc etc…! 🙂

Para saber um pouco mais deste acompanhamento online envie-me um email para ritamralmeida@gmail.com, fico a sua espera!

 

Anúncios

O blogue vai à TV…

Sociedade Civil

E não é que vou à TV com o meu “mai novo” (entenda-se o blogue!). Na próxima 5ª feira dia 18 Junho entre as 14h e as 15h00 na RTP2, programa sociedade civil.

O tema do debate é “Ser grávida hoje”, e eu lá estarei para dar a minha visão de nutricionista e da nutrição na gravidez. Será que as mulheres hoje em dia se preocupam mais com a saúde e a imagem? Há mais pressão para isso ou é realmente fundamentada?

Vejam! 🙂 Para os mais distraídos eu depois colocarei o link…

Excelentes noticias para as grávidas!

sushiLi esta noticia com inveja, mas porque é que ninguém se lembrou disto antes (!?). Por mim bastava que tivesse sido em 2103 quando eu estava grávida… A verdade é que sushi foi uma das primeiras refeições quando cheguei a casa da maternidade. Fico feliz por saber que numa próxima gravidez já sei onde ir, basta passar a ponte!!

http://observador.pt/2015/05/23/esta-gravida-aqui-pode-comer-sushi/

Abacate um fruto nutritivo para o seu bebé

Vi este vídeo e foi-me tão familiar! Cá por casa a reacção foi igual ou pior, eu pelo menos não insisti tanto ao vê-lo ter arrepios quando experimentou abacate pela primeira vez.

O abacate é realmente uma boa fruta para iniciar na alimentação do bebé, rica em gorduras mono e polinsaturadas vão ajudar ao desenvolvimento do sistema nervoso central das crianças. Mas vamos lá admitir não sabe assim tão bem “ao natural”… junte-lhe meia banana ou outra fruta que o bebé goste e verá que se torna muito mais fácil.

Será que a dieta influencia o sexo do bebé?

o-que-fazer-para-engravidar-menino-ou-menina_AEstá a planear engravidar? Se tem preferências então saiba que pode haver uma relação entre aquilo que come na época da concepção e o sexo do bebé.

Um estudo realizado em Inglaterra mostrou que havia relação entre a dieta e o sexo do bebé, contudo não é uma ciência exata e por isso não podemos comprovar garantidamente a sua causa-efeito. Segundo estes investigadores as mulheres que consumiam uma dieta rica em calorias e potássio e comiam com regularidade cereais ao pequeno-almoço deram à luz mais rapazes, ao passo que as mulheres que consumiam menos calorias, tinham uma dieta mais proteíca e baixa em hidratos de carbono e geralmente “saltam” o pequeno-almoço geraram mais raparigas.

A razão para isso acontecer pode ser causada pelas diferenças de pH no corpo da mulher e no ambiente que se cria que irá facilitar ou não um ou outro tipo de espermatozóides X ou Y (de rapariga ou de rapaz respetivamente), tal como referi não é matemático que vá acontecer no entanto, por experiência própria posso comprovar que eu como quase todos os dias flocos de aveia ao pequeno-almoço e tive um rapaz.

Assim já sabe, se quer ter um rapaz então deve valorizar o consumo de cereais (mas já agora não coma os cereais “lixo”, invista nos bons e opte pelos flocos de aveia ou faça um muesly caseiro), coma bananas, batatas/batata-doce, abacate e tomate para consumir mais potássio. Se por outro lado, o seu sonho é ter uma menina então terá de optar por uma dieta proteíca com um reduzido consumo de hidratos de carbono.

Agora só me resta desejar-lhe boa sorte e bons treinos! 🙂

A propósito dos açúcares

obesidade9A semana passada deu na SIC uma reportagem sobre nutrição que mexeu com os Portugueses. Assustou uns, alertou muitos e fez ver que nas nossas casas e na nossa alimentação, principalmente a dos nossos filhos, há muito a melhorar.

Querer dar o melhor aos nossos filhos não passa por lhes dizer sempre que sim, dar o chocolate sempre que pedem, trocar o pão do lanche por bolos porque outros amigos o fazem… dar o melhor aos nossos filhos é preocuparmo-nos com a sua alimentação e dar sim as opções mais saudáveis.

A reportagem focou-se muito no consumo de açúcares nas crianças, mostrou as consequências desse excesso e após a reportagem já se vê nos corredores dos supermercados mães a lerem rótulos, lançaram-se desafios nas redes sociais de 20/30dias sem açúcares, etc… Resultado surtiu efeito!

Não gosto de apontar de erros, prefiro sempre alertar para mudanças de hábitos alimentares pela positiva, mas hoje não vou por ai, deixo-vos alguns erros que têm de ser mudados:

“Agora já pode comer a comida da família”

Esta frase ouvem todos os pais quando vão à consulta de 1 ano de idade. E lembro-me perfeitamente da perplexidade do meu marido que me perguntou “então agora ele vai comer uma perna de cabrito assada no forno?” … essa passagem de alimentos em puré para a comida da família é gradualmente feita pelas próprias crianças. Elas vão se habituando aos paladares da família progressivamente assim como as novas texturas. No entanto, o que está errado é aquilo que se oferece à criança, se ontem havia uma série de regras (a alimentação do bebé no 1º ano de vida chega a ser matemática e milimétrica!) e se ainda ontem o bebé não comia sal, douradinhos, cereais de chocolate, bolachas recheada nem bebia sumos de pacote, então porque é que depois de uma simples frase tudo muda?

“Temos essas coisas em casa por causa do irmão mais velho”

Está o irmão mais velho livre de desenvolver obesidade, diabetes, hipertensão? Na minha opinião há certas coisas que nunca devem entrar numa casa, como por exemplo: batatas fritas de pacote e outros fritos do género, sumos de pacote (incluindo o tão “aparentemente” inofensivo super-açucarado-ice-tea), cereais de chocolate, bolachas recheadas, mini-pães recheados com chocolate… etc etc. Se os eliminarem da lista de supermercado e substituírem os snacks por fruta, iogurtes, queijinhos, pão… verão como as contas mensais daí de casa vão descer drasticamente assim como os ponteiros da balança.

Eles são pequenos e não podem escolher sozinhos, cabe-nos a nós sermos responsáveis pela sua saúde até termos autoridade para tal. 🙂